Obesidade nas Escolas: Como os Educadores podem Reverter esse Quadro

Publicado em 23 de julho de 2015
alimentação calorica

Obesidade nas Escolas – Como educadores podem reverter esse quadro
Créditos da Imagem: Novelrobinson   Via: Pixabay

 

Os indicadores referentes à alimentação adequada, publicados pela, Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, em março de 2015, alertam para o alto percentual de crianças e adolescentes com sobrepeso e obesidade. Os dados mostram que 33,5% das crianças, com idade entre 5 e 9 anos, têm excesso de peso. Na adolescência, o número chega a 20,5%.

Esses indicadores apontam para aspectos relacionados à má alimentação infantojuvenil. Comidas industrializadas, fast-food, alimentos com excesso de sódio, açúcar e gordura. Essa tem sido a base alimentar de grande parte da população hoje em dia. Além disso, o sedentarismo entre os pequenos e os jovens é outro fator que contribui para o aumento da obesidade infantil.

A infância – sobretudo, a fase pré-escolar – é um período muito importante para a formação dos hábitos alimentares que o indivíduo tenderá a manter durante toda a vida. Por isso, os pais e também a escola têm papel fundamental na orientação alimentar dos pequenos. Em casa, os responsáveis devem saber que são um espelho para as crianças, e que seus exemplos serão reproduzidos pelos filhos. No ambiente estudantil, os educadores precisam estimular uma alimentação saudável em grupo.

Como agente formador e parceira dos pais, a escola tem a responsabilidade de promover bons hábitos nutricionais, tornando a hora do lanche mais prazerosa, incentivando a partilha de alimentos entre os alunos, mostrando formas saudáveis de preparar as refeições, apresentando receitas que podem ser feitas pela garotada e transmitindo os benefícios de cada fruta, legume, grão, verdura, tubérculo, etc.

 

frutas vitaminas

Com o incentivo da escola promover bons hábitos alimentares
Créditos da Imagem: jill111   Via: Pixabay

 

A merenda escolar também é uma ferramenta que pais e educadores podem utilizar para ensinar as crianças a comer melhor. De preferência, a refeição servida na escola deve ser preparada sob a orientação de uma nutricionista. É essencial incluir todos os grupos de nutrientes – carboidratos, proteínas, vitaminas e minerais – no cardápio diário. Nortear os pais sobre o lanche que é levado de casa também é uma iniciativa válida. Diretores podem organizar uma reunião para discutir a importância da boa alimentação com os responsáveis e entregar sugestões nutritivas de merendas.

Resgatar brincadeiras antigas durante os intervalos e nas aulas de educação física e incentivar a prática de exercícios fora da escola são outras atitudes benéficas que os educadores podem adotar.