Por que os pais do Vale do Silício estão criando seus filhos sem tecnologia

Publicado em 2 de julho de 2019
pais do Vale do Silício

 

Um artigo publicado pelo site da Business Insider explica por que os pais do Vale do Silício passaram a restringir ou até mesmo proibir o tempo de tela dos seus filhos. A tendência segue uma prática de longa data entre os executivos de tecnologia de alto nível que estabeleceram limites para seus próprios filhos durante anos. A primeira parte desta publicação você conhece neste post.

 

Os pais do Vale do Silício estão criando seus filhos sem tecnologia – e isso deve ser um alerta

São 9h em Sunnyvale, Califórnia e Minni Shahi está a caminho para trabalhar na sede da Apple em Cupertino. Seu marido, um ex-funcionário da Google chamado Vijay Koduri, está se encontrando com seu parceiro de negócios em uma Starbucks local para discutir sua startup, uma empresa de produção de clipes do YouTube chamada HashCut.

Os dois filhos de Shahi e Koduri, Saurav de 10 anos e Roshni de 12 anos, já foram deixados na escola, provavelmente mergulhados em um dos Google Chromebooks que foram lançados no início do ano. A vida dos Koduris é a da família quintessencial do Vale do Silício, exceto por uma coisa. A tecnologia desenvolvida pelos empregadores de Koduri e Shahi é proibida na casa da família.

Não há aparelhos de videogame dentro da casa dos Koduri e nem a criança tem seu próprio telefone celular ainda. Saurav e Roshni podem jogar nos telefones de seus pais, mas apenas por 10 minutos por semana. (Não há limites para o uso da vasta biblioteca de jogos de tabuleiro da família.) Um tempo atrás, a família comprou um iPad 2, mas nos últimos cinco anos ele tem vivido na prateleira mais alta de um armário de roupas de cama.

“Sabemos que em algum momento eles precisarão ter seus próprios telefones”, disse Koduri, de 44 anos, à Business Insider.” Mas estamos prolongando o tempo o máximo possível.”

 

A diferença é que eles não se veem a si próprios como perigosos

Koduri e Shahi representam um novo tipo de pais do Vale do Silício. Ao invés de lotarem suas casas com a mais recente tecnologia, muitos dos pais de hoje que trabalham ou vivem no mundo da tecnologia estão limitando – e às vezes banindo completamente – o tempo de tela que seus filhos têm.

A abordagem vem dos pais vendo em primeira mão, seja por meio de seu trabalho, ou simplesmente morando na Bay Area – uma região que abriga as empresas de tecnologia mais valiosas da Terra – quanto tempo e esforço são necessários para tornar a tecnologia digital irresistível.

Uma pesquisa realizada em 2017 pela Silicon Valley Community Foundation descobriu entre 907 pais do Vale do Silício que, apesar da alta confiança nos benefícios da tecnologia, muitos têm sérias preocupações sobre o impacto dela no desenvolvimento psicológico e social das crianças.

“Você não pode colocar a sua cara em um dispositivo e esperar desenvolver uma capacidade de atenção de longo prazo”, disse Taewoo Kim, engenheiro-chefe de Inteligência Artificial na startup de aprendizado de máquinas One Smart Lab, à Business Insider. Budista praticante, Kim está

ensinando seus sobrinhos e sobrinhas, com idades entre 4 e 11 anos, a meditar e apreciar jogos e quebra-cabeças sem tela. Uma vez por ano, ele os leva em retiros silenciosos sem tecnologia em templos budistas próximos.

Ex-funcionários de grandes empresas de tecnologia, alguns deles executivos de alto nível, se manifestaram publicamente para condenar o intenso foco das empresas na criação de produtos tecnológicos viciantes. As discussões desencadearam mais pesquisas da comunidade de psicologia, as quais gradualmente convenceram muitos pais de que a palma da mão de uma criança não é lugar para dispositivos tão potentes.

“As empresas de tecnologia sabem que quanto mais cedo você acostuma crianças, adolescentes ou jovens à sua plataforma, mais fácil será se tornar um hábito para a vida toda”, disse Koduri ao Business Insider. Não é coincidência, disse ele, que o Google tenha feito um esforço nas escolas com o Google Docs, o Google Sheets e o pacote de gerenciamento de aprendizado Google Classroom.

Transformar as crianças em clientes fiéis de produtos não saudáveis não é exatamente uma nova estratégia. Algumas estimativas mostram que as grandes empresas de tabaco gastam quase US$ 9 bilhões por ano, ou US$ 24 milhões por dia, comercializando seus produtos na esperança de que as crianças os utilizem para a vida toda. O mesmo princípio ajuda a explicar por que as cadeias de fast food oferecem refeições para crianças: a fidelidade à marca é lucrativa.

“A diferença [com a Google] é que eles não se consideram perigosos”, disse Koduri. “O Google, com certeza, pensa em si mesmo como ‘Ei, somos os mocinhos. Estamos ajudando as crianças. Estamos ajudando as salas de aula’.” E tenho certeza que a Apple também. E tenho certeza que a Microsoft também.

 

Em São Francisco, os pais notam um “mal-estar de mexer no celular”

Erika Boissiere tem pouca dúvida de que a tecnologia é um veneno para os cérebros jovens.

A mãe de 37 anos, de São Francisco, trabalha como terapeuta familiar ao lado do marido. Ela disse que ambos se esforçam para se manterem atualizados com a pesquisa em tempo de tela, que, apesar de não ter dados de longo prazo, encontrou uma série de consequências de curto prazo entre jovens e adolescentes que são grandes usuários de tecnologia. Estes incluem riscos elevados de depressão, ansiedade e, em casos extremos, suicídio.

Muitos dos pais com quem ela e o marido conversaram disseram que também percebem um sentimento antitecnologia. Apenas vivendo no epicentro tecnológico do mundo, o casal tem assentos na primeira fila do que Boissiere chamou de “mal-estar de mexer no celular”.

“Vivemos em uma rua bastante movimentada”, disse Boissiere ao Business Insider. Nos 15

anos em que eles moraram lá, ela notou “uma mudança perceptível em que todos estão em seus telefones no ônibus. Não parece que alguém está lendo um Kindle, por exemplo”. Os pais de São Francisco dizem que há um “mal-estar de mexer no celular” a pé.

Boissiere fará um grande esforço para impedir que seus filhos, Jack, de 2 anos de idade, e Elise, de 5 anos, tenham as mais básicas interações com a tecnologia. Ela e o marido não instalaram nenhuma TV na casa e evitam o uso de telefones celulares na presença das crianças – uma política rígida que o casal também exige de sua babá de 28 anos, que Boissiere disse que foi pega mexendo no celular no trabalho.

O casal elaborou uma estratégia para ajudá-los a manter sua política. Quando os dois chegam em casa do trabalho, cada um deles coloca o telefone ao lado da porta. Na maioria das noites, eles checam os telefones apenas uma ou duas vezes antes de irem para a cama, disse Boissiere.

Às vezes ela quebra a regra, mas mais de uma vez seus filhos entraram na sala enquanto ela está no meio do texto, mandando a mãe deles para o banheiro mais próximo.

Por volta das 22h30, Boissiere e seu marido ficam na cama e terminam o dia com um episódio de “Black Mirror” no laptop deles: uma dose de confiança mórbida de que a abordagem antitecnologia é o melhor.

A Todolivro tem compromisso com o desenvolvimento infantil de forma saudável, priorizando habilidades aprendidas em sala de aula, mas indo além e trabalhando a inteligência emocional e a boa convivência em sociedade. Conheça nossos livros.