Benefícios da restrição de tecnologia para crianças

Publicado em 26 de julho de 2019
restrição de tecnologia para crianças

 

Publicamos recentemente parte de artigo da Business Insider explicando por que os pais do Vale do Silício defendem a restrição de tecnologia para crianças. A primeira parte da matéria você confere neste post. Na publicação abaixo, que dá continuidade ao artigo, entendemos como a restrição de tecnologia está causando impacto em pais, filhos e até em escolas e quais os seus benefícios.

 

A parentalidade de baixa tecnologia tem sido uma rotina tranquila entre os magnatas do Vale do Silício há anos

Os pais de baixa tecnologia e antitecnologia do Vale do Silício podem parecer excessivamente cautelosos, mas na verdade seguem práticas de longa data de gigantes da tecnologia antigos e atuais como Bill Gates, Steve Jobs e Tim Cook.

Em 2007, Gates, o ex-CEO da Microsoft, implementou um limite no tempo de tela quando sua filha começou a desenvolver uma ligação pouco saudável com um videogame. Mais tarde, tornou-se política da família não permitir que as crianças tivessem seus próprios telefones celulares até completarem 14 anos. Hoje, a criança americana média recebe seu primeiro telefone celular por volta dos 10 anos de idade.

Jobs, o CEO da Apple até sua morte em 2012, revelou em uma entrevista de 2011 do New

York Times que ele proibiu seus filhos de utilizar o iPad recém-lançado. “Limitamos a quantidade de tecnologia que nossos filhos usam em casa”, disse Jobs ao repórter Nick Bilton.

Até mesmo Cook, o atual CEO da Apple, disse em janeiro que não permite que seu sobrinho se junte a redes sociais on-line. O comentário seguiu os de outros especialistas em tecnologia, que condenaram as mídias sociais como prejudiciais à sociedade.

Cook depois admitiu que os produtos da Apple não são destinados ao uso constante. “Eu não sou uma pessoa que diz que alcançamos sucesso se você estiver usando isso o tempo todo”, disse ele. “Eu não concordo com nada disso.”

 

As crianças não ficam necessariamente viciadas pelo resto da vida

Uma coisa positiva para o uso constante da tecnologia é que os efeitos negativos não parecem ser permanentes.

Um dos estudos mais esperançosos, e um dos mais citados pelos psicólogos, foi publicado em 2014 no jornal Computers in Human Behavior (Computadores em Comportamento Humano). Isso envolveu cerca de 100 pré-adolescentes, metade dos quais passou cinco dias em um retiro sem tecnologia, envolvido em atividades como arco e flecha, caminhada e orientação. A outra metade ficou em casa e serviu como controle.

As empresas de tecnologia sabem que quanto mais cedo você tiver crianças, adolescentes ou jovens acostumados à plataforma delas, mais fácil será se tornar um hábito para toda a vida.

Depois de apenas cinco dias no retiro, os pesquisadores viram enormes ganhos nos níveis de empatia entre as crianças participantes. Aqueles no grupo experimental começaram a pontuar mais alto em suas sugestões emocionais não-verbais, mais frequentemente sorrindo para o sucesso da outra criança ou parecendo angustiados se elas testemunhassem uma queda desagradável.

Os pesquisadores concluíram: “Os resultados deste estudo devem introduzir uma conversa social muito necessária sobre os custos e benefícios da enorme quantidade de tempo que as crianças passam com as telas, dentro e fora da sala de aula”.

 

Escolas começaram a acomodar os pais antitecnologia

Nem todos os pais que criam seus filhos com baixa tecnologia se esforçam para manter os mesmos padrões quando se trata de educação. Os filhos de Koduri, por exemplo, compartilham um Macbook Air para trabalhos de casa e utilizam os Google Chromebooks na escola.

Mas ao redor do Vale do Silício, várias escolas de baixa tecnologia surgiram em um esforço para reintroduzir o básico. Na Escola Waldorf da Península, uma escola particular em Los Altos, Califórnia, as crianças usam lousas e lápis nº 2. O corpo docente não introduz crianças em dispositivos com tela até atingirem o oitavo ano.

Enquanto isso, em muitas escolas públicas, a tecnologia tem se tornado força orientadora, de acordo com os educadores Joe Clement e Matt Miles. No livro deles de 2017 “Tela educada” os coautores argumentam que a tecnologia faz muito mais mal do que bem, mesmo quando é usada para aumentar a pontuação em leitura e matemática.

“É interessante pensar que em uma escola pública moderna, onde crianças estão sendo cobradas para utilizarem dispositivos eletrônicos como iPads, os filhos de Steve Jobs seriam algumas das únicas crianças que optaram por não aderir”, escreveram. (Os filhos de Jobs terminaram a escola, então é impossível verificar se isso seria verdade.)

O aparente padrão duplo ainda persiste, eles argumentam. Como os autores escreveram, “O que esses ricos executivos de tecnologia sabem sobre seus próprios produtos que seus consumidores não sabem?”