8 Dores de Barriga mais Comuns do seu Bebê

Publicado em 17 de junho de 2015
criança dor

Dores de barriga mais comuns do seu bebê
Créditos da Imagem: Mintchipdesigns   Via: Pixabay

 

A parte mais difícil do bebê que não está se sentindo bem, é descobrir o que ele tem. O pequeno não fala – ou se fala, só sabe que dói – e bate aquela ansiedade por não saber o que é e, como consequência, não conseguir ajudar.

Mas chega disso. Hoje a Todolivro te mostra como identificar os 8 tipos mais comuns de dor de barriga nos pequenos, acompanhe!

1. Cólica por gases

Nos bebês a causa é a imaturidade do sistema digestivo, já nas crianças mais velha, por alimentos que possam provocar gases. Para identifica-la nos bebês, eles movem bastante as pernas e choram. Já com as crianças mais velhas, tente perguntar se a dor muda de lugar na barriga.

Para aliviá-la, mova as pernas do bebê e massageia a barriga dele. Com as crianças mais velhas, faça-as caminhar um pouco. Remédios antiflatulentos devem ser usados somente com prescrição médica e, se as cólicas forem recorrentes, evite alimentos que provoquem gases na dieta das crianças e na sua – caso esteja amamentando.

2. Comida estragada ou comer demais

Qualquer pessoa pode sentir uma dor de barriga se abusar de alimentos como frituras, doces e salgadinhos, mas o desconforto também pode vir de algum alimento mal conservado ou estragado. Se esse for o caso, tente descobrir o que a criança comeu. É comum – e rápido – que a dor evolua para vômitos e/ou diarreia. Aqui não há muito o que fazer, já que o corpo precisa colocar para fora o que não está fazendo bem, o que é necessário lembrar é de manter a criança hidratada (vale água e soro, que pode ser caseiro ou comprado na farmácia) e lhe dar alimentos saudáveis e leves, como batata e bolacha de água e sal.

3. Verminoses

Essas não são tão comuns para quem mora em grandes cidades, mas podem acontecer durante as férias. São causadas por vermes que, geralmente, se encontram na terra e na água. A mais comum é a giardíase.

Esse tipo de dor costuma ser na parte alta do abdômen e é preciso procurar por um pediatra. O exame de fezes vai identificar o tipo de verme e o médico prescrever um vermífugo especifico.

4. Viroses e infecções

Essa dor é causada pelos vírus e bactérias que podem estar no ar, em locais contaminados e em alimentos, ela é mais comum no verão. É uma dor que quase sempre acompanha febre e, também, pode vir junto de vômitos, diarreia e cansaço. Esse tipo de mal-estar dura, em média, 3 dias. Dê bastante água para mantê-la hidratada e, se a criança se sentir mais bem disposta, é possível ficar em casa. Se o problema se prolongar ou ela continuar muito abatida, é necessário procurar um médico.

5. Dor muscular

Tosse, gripe, bronquite, até rir de mais por causar essa dor. A criança não vai saber identificar, mas você pode lhe perguntar se a dor é parecida com a que ele sente quando come demais ou quando ele brinca muito e fica cansado. Se a resposta for a segunda, então é uma dor muscular. O melhor é esperar passar, mas se a criança se incomodar demais com isso, um analgésico pode ajudar.

6. Intestino preso

Uma dieta pobre em vegetais, legumes e frutas é a causa dessa comum dor. Você sabe que é ela quando a criança reclama de dor ao fazer cocô, fica com a barriga inchada e não vai muito ao banheiro. O melhor é reajustar a dieta do pequeno, incluir mais alimentos como mamão, ameixa preta e fazê-lo beber muita água.

7. Ansiedade ou medo

O nervosismo que as crianças sentem antes de algum evento importante, como o primeiro dia de aula, pode se manifestar fisicamente. Na maior parte das vezes, a dor é causada pelo mecanismo que prende o intestino e você deve avaliar se a situação pela qual seu filho está passando é estressante. Busque entender qual a situação que está deixando-a nervosa e tente confortá-la, distrai-la do acontecimento.

8. Apendicite

A inflamação do apêndice não tem como ser prevenida, mas é bastante rara em crianças menores de cinco anos. Essa dor acontece perto do umbigo e pode ser acompanhada de febre e náuseas. Diferente das demais, essa dor surge do nada, sem causa aparente. Nesse caso você deve ir o mais rápido possível para o hospital, a ruptura de um apêndice inflamado pode complicar o quadro da criança e, embora seja raro, pode ser fatal.

 

Fonte: Revista Crescer