Amamentação Correta: Mais Saúde para Você e o seu Bebê

Publicado em 14 de setembro de 2015
amamentar

Amamentação correta – saúde para você e para o bebê
Créditos da Imagem: PublicDomainPictures   Via: Pixabay

 

A amamentação é fundamental para fortalecer o sistema imunológico do bebê e evitar infecções, alergias e problemas futuros. Além disso, diminui cólicas e contribui para o desenvolvimento mental e físico da criança. O aleitamento também beneficia a saúde das mulheres, diminuindo o risco de desenvolver câncer de ovário, de mama e osteoporose.

Apesar de ser um ato natural, algumas mamães, principalmente as de primeira viagem, cometem erros que prejudicam uma boa amamentação.

Amamentar no modo automático

Enquanto está amamentando, algumas mulheres aproveitam para fazer outras atividades. Mas é importante ficar atenta se o bebê está mamando corretamente. O recomendado é que ele abocanhe praticamente toda a aréola, e não somente a pontinha do mamilo. Caso contrário, ele não conseguirá sugar quantidade de leite suficiente e ficará com fome, além de causar fissuras nos seios da mãe.

Considerar o leite insuficiente

leite bebê

Nutrientes corretos evitam problemas de saúde
Créditos da Imagem: Mariagarzon   Via: Pixabay

 

Algumas mulheres tendem a acreditar que somente o leite materno como alimentação exclusiva é insuficiente para o bebê e acabam oferecendo outros produtos. No entanto, durante os primeiros seis meses de vida, ele é o único capaz de fornecer ao bebê os nutrientes corretos para o seu desenvolvimento e ainda evita problemas de saúde. Somente dê outros alimentos para seu filho com devida orientação médica.

Descuidar da própria saúde

Durante a amamentação, as mães precisam cuidar da sua saúde para garantir bem-estar físico e mental para nutrir seus filhos. Entre outros cuidados, é importante ter uma alimentação balanceada que forneça energia suficiente e manter-se sempre bem hidratada para repor os líquidos perdidos no aleitamento. Além disso, fique longe de bebidas alcoólicas e cigarros, pois ambos contêm substâncias tóxicas que contaminam o leite materno e prejudicam o sistema nervoso central do bebê, afetando o seu desenvolvimento.